Alopecia cicatricial: confira alternativas para a condição que pode tornar a calvície irreversível

Alopecia cicatricial

Caso você sofra com a queda de cabelo, é possível que suas pesquisas on-line tenham levado você a um termo pouco conhecido popularmente: a alopecia cicatricial.

A condição é tida como perigosa porque pode gerar um quadro permanente de calvície na pessoa afetada. E é por isso que elaboramos este post!

Ao longo deste conteúdo, nós vamos explorar o conceito de alopecia cicatricial, como ela afeta a queda de cabelo e como ela se relaciona com a calvície. Acompanhe conosco!

O que é a alopecia cicatricial?

A alopecia cicatricial é usada para definir um grupo específico de doenças raras que — direta ou indiretamente — destroem o folículo piloso, substituindo-o por um tecido cicatricial.

Ou seja: os danos podem se tornar permanentes, evitando que novos fios cresçam na área impactada. Além disso, vale ressaltar que esse dano pode ocorrer de duas maneiras:

  • gradual, sem sintomas aparentes;
  • progressiva e rapidamente, acompanhada de um prurido grave, associado também às sensações de dor e ardor.

Outro problema com essa condição é que, independentemente de sua ocorrência, os danos ocorrem abaixo da superfície da pele. E a cicatriz, na maioria dos casos, não é visível no couro cabeludo. No máximo, alguns quadros que valem a pena se atentar, como:

  • sinais de inflamação;
  • vermelhidão;
  • descamação;
  • pústulas.

Como a alopecia cicatricial pode surgir e evoluir?

Abaixo, vamos destacar dois tipos de alopecia cicatricial que podem acometer as pessoas:

Primária

Pode ser decorrente de processos congênitos, autoimunes e inflamatórios ou infecciosos. Entre as principais doenças causadoras, destacamos:

  • lúpus;
  • líquen;
  • alopecia frontal fibrosante ou central centrífuga;
  • pseudopelada de Brocq;
  • foliculite (decalvante, em tufos ou queloidiana); dermatose pustular erosiva.

Secundária

Pode surgir em decorrência de queimaduras, exposição à radiação, traumas, infecções, tumores ou micoses.

Há cura ou tratamento para a alopecia cicatricial?

Infelizmente, o diagnóstico precoce é fundamental, pois, assim que descoberta a causa, é possível interromper ou amenizar os efeitos — revertê-lo, não.

Nessas situações, o tratamento contra a alopecia cicatricial nada mais é do que o tratamento recomendado para a causa do problema que gerou a condição.

Mas, para amenizar também os folículos cicatrizados, existem as alternativas comuns para combater a calvície, como o implante capilar.

Homens e mulheres podem ser afetados?

Por fim, vale compreender que as alopecias cicatriciais podem, sim, ocorrer em homens e em mulheres. E em todas as idades, já que é uma condição que pode não estar diretamente associada à queda de cabelos.

Dessa maneira, recomendamos que você visite periodicamente um médico especialista se achar que um quadro de calvície está se desenvolvendo no seu couro cabeludo. Por meio de um diagnóstico profissional, é possível até mesmo determinar se a pessoa vai ficar careca ao longo do tempo, com base na progressão da queda de cabelos.

Agora, para saber mais a respeito de condições similares à alopecia cicatricial, não deixe de conferir também nosso conteúdo a respeito da alopecia areata, que tem aparência parecida com a condição vista neste artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *