Celulite e radiofrequência: antes e depois do tratamento

Radiofrequência antes e depois

A celulite é um incômodo que atinge pelo menos 80% das mulheres, inclusive aquelas que são magras. Ela é um problema, principalmente porque afeta a autoestima feminina. Por isso, a busca por tratamentos eficientes é incessante. Um deles é a radiofrequência, que proporciona resultados muito satisfatórios. Veja a seguir o que é e como funciona esse tratamento!

Como a celulite é formada?

Todos nós temos células (adipócitos) que possuem a função de acumular energia sob a forma de gordura para utilizá-la quando necessário. Elas se localizam na camada mais profunda da pele, que pode sofrer modificações em sua textura, ocasionando uma irregularidade na superfície da pele (efeito casca de laranja).

A celulite é, assim, formada a partir do acúmulo de gordura na camada superficial da pele, e, dentre suas causas, estão predisposição genética, alterações hormonais e enzimáticas que diminuem a quebra das células gordurosas ou aumentam seu volume, dentre outras.

Ela se localiza mais facilmente em regiões com mais gorduras, como bumbum, abdômen e pernas.

O que é a radiofrequência?

A radiofrequência é um tratamento estético indolor e não invasivo que se utiliza de radiações eletromagnéticas para aquecer as camadas mais profundas da pele. A temperatura pode atingir 42º C, o que ocasiona a queima de gordura na região e estimula a produção de novas fibras de colágeno. Por isso, a radiofrequência combate a flacidez, deixando a pele com aspecto mais saudável, firme e uniforme.

O procedimento é realizado por um equipamento que emite ondas de 40 mil volts. Conforme o modo de emissão da corrente elétrica, são 3 os tipos de radiofrequência:

  • Monopolar: corrente emitida por eletrodo aplicado na área de tratamento, que retorna ao gerador por eletrodo de dimensões maiores localizado à distância. Pode chegar à profundidade de até 6 mm na pele.
  • Bipolar: eletrodos de saída e retorno estão na própria ponteira, por isso gera um efeito mais superficial (alcance de 2 mm);
  • Tripolar: utiliza três eletrodos na ponteira, cuja distância entre eles é a profundidade da penetração da energia.

Como a radiofrequência age no tratamento da celulite?

[embedyt] https://www.youtube.com/embed?listType=playlist&list=PL8a-ss-hiORZISZIgVKdN355gI7uzddTm&v=dfD-yXWcXAE[/embedyt]

A melhor forma de saber como o tratamento age na celulite é ver os resultados da radiofrequência, antes e depois. Porém, tecnicamente, pode-se dizer que ela queima as moléculas de gordura localizada, atuando diretamente na inflamação das células do tecido adiposo. Por estimular a produção de novas fibras de colágeno, ela melhora o aspecto “casca de laranja”.

A radiofrequência que se associa ao vácuo também contribui para a redução e eliminação de toxinas, tal qual uma drenagem linfática. Quer ver os resultados da radiofrequência, antes e depois?

Radiofrequência: antes e depois com o Programa Bottoms UP

Radiofrequência antes e depoisRadiofrequência antes e depois

Viu só como os resultados realmente são alcançados? Esse é um antes e depois de paciente atendida pela dermatologista Valéria Campos, que atua em Jundiaí – SP. O resultado exibido integra radiofrequência e ondas de choque dentro do Programa Bottoms UP.

O programa combate a flacidez da pele e a gordura localizada, estimulando a produção de colágeno e melhorando a hidratação e o aspecto da pele. Além disso, ao promover a microcirculação e oxigenação, elimina a aparência de casca de laranja.

O Programa Bottoms UP é adotado por vários dermatologistas no Brasil inteiro e seus resultados são percebidos em apenas oito sessões. Conheça o Bottoms UP e encontre a clínica mais próxima para ter resultados incríveis no tratamento da celulite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *